Home / Política / Luciano Huck sobre candidatura à Presidência: “É hora de minha geração ocupar os espaços de poder

Luciano Huck sobre candidatura à Presidência: “É hora de minha geração ocupar os espaços de poder

 

wpid-wp-1490911509512.png

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Luciano Huck falou sobre diversos assuntos, como o futuro do país e a sua atuação na sociedade. O apresentador do Caldeirão do Huck afirmou que o espera um candidato a presidente da República: “Carisma, capacidade de implementação, ética e altruísmo”. “A minha geração tomou as rédeas do dia a dia. Você vê um ministro do Supremo de 47 anos [Alexandre de Moraes, que tem 48]. O CEO da BRF [Pedro Faria] tem 42. É uma geração que ainda não está na política como deveria, mas vai estar. A renovação que a gente precisa passa por uma renovação geracional. Tive o privilégio, que pouca gente tem, de entrar nas casas das pessoas. Viajei o Brasil todo. Sem nenhum crachá político. Estou numa fase altamente produtiva, líder de audiência em um espaço relevante e comercialmente viável. Bicho, vamos usar isso para o bem”, disse Huck.
Sobre sua missão na TV, ele explicou: “O poder que conquistei através do microfone é resultado de muito trabalho. Tenho 40 milhões de seguidores nas redes sociais e 18 milhões de pessoas todo sábado assistindo ao programa. Espero dar muito trabalho para o meu biógrafo. No final da história, ficarei contente se puder ter melhorado o mundo à minha volta. Não gosto da ideia de viver de forma passiva. Somos curadores em tempo integral do futuro que queremos, precisamos imaginá-lo e criá-lo.”
Pernambuco

Quando questionado sobre uma possível carreira política, ele chegou a declarar que isso seria uma “pegadinha”. “Não dá para responder na atual conjuntura. Falando seriamente, nossa geração chegou a um momento em que tem capacidade, saúde, força de trabalho, relevância, influência. Quem entrou na faculdade em 1990 está chegando agora aos espaços de poder. Faço parte desta geração. Estamos vivendo um trauma moral e ético que se soubermos capitalizar para o bem, tenho convicção de que daqui a 10, 20, 30 anos vamos ter um país de fato diferente e mais justo”, contou Luciano.
“O presidente Michel Temer pode ficar para a história do Brasil se souber usar a impopularidade dele para fazer o que precisa, para corrigir os erros da construção da nossa democracia. Fazer voto distrital e um monte de coisas para acabar com incongruências, vícios. Outro dia, fui gravar no interior de Alagoas, com uma empreendedora social. O município tinha IDH horroroso, com 50% de analfabetos. A iniciativa dela tinha, de verdade, transformado a comunidade. Na segunda gravação, apareceu a prefeita, não vou dar nome, que não tinha nenhuma conexão com o lugar. Ia lá duas vezes por mês, morava em Maceió. Óbvio que foi eleita porque o sistema está errado”, relembrou Luciano Huck sobre a situação política atual.Por fim, Huck das guerras às drogas. “Eu produzi o filme com ele. Tenho absoluta certeza de que a guerra às drogas e o que foi feito até aqui não funcionou. As comunidades estão cada vez mais armadas. O consumo nunca diminuiu, os presídios estão superlotados. Não é um problema de polícia, mas de saúde pública”, disse.

Além disso, verifique

Oposição pede a cassação de Eduardo Bolsonaro por declarações referentes ao AI-5

Share this on WhatsApp O pedido da oposição servirá de teste para a força política ...

Deixe um Comentário