Home / Educação e Cultura / Tóim, cadê você?

Tóim, cadê você?

“Tóim, cadê você?” é um dos livros da artista e ativista Tamires Lima, a obra nasceu da inquietação por ver tantas crianças que não aceitam o seu cabelo natural, como ela também não aceitava. “Comecei a escrever a narrativa que é o reflexo da minha própria história e de muitas outras meninas e mulheres negras que passam por tantos processos químicos e tratamentos capilares antes de aceitarem seus cabelos naturais e se reconhecerem na sua identidade”. Neste livro ela conta a história de Lu, uma menina que reclamava tanto com seu cabelo chamado Tóim que ele fugiu. Ao procurar a ajuda de sua avó, Flor, ela aprende que o cabelo crespo é lindo e após pedir desculpas eles se tornam amigos inseparáveis. Com ilustração e texto da jovem autora, nascida em Recife – PE, o livro compõe um novo e importante momento no mercado editorial brasileiro, que é marcado, hoje, pelas possibilidades que temos de expressão do nosso lugar de fala e consciência crítica, como Tamires explica: “Acredito que incentivar as crianças negras a amarem a si mesmas por meio da produção frequente de ilustrações com personagens negros, negras, gordas, com cabelos crespos black power, trançados ou soltos, criando principalmente personagens femininas, é uma forma de empoderamento que ajuda as crianças  e adultos de hoje, e os adultos do amanhã que crescerão em um cenário diferente do que vivemos hoje.”

Além de ‘Tóim, cadê você?’ (2014), a ilustradora e escritora Tamires Lima é autora do livro Fabrincando (2015), que ensina a fazer brinquedos populares. Fabrincando teve 920 cópias distribuídas em espaços públicos e gerou um ciclo de oito oficinas de brinquedos em escolas públicas, além de circulação internacional através de editais patrocinados pelo MinC, Secult-BA, com a produção do Flotar e curadoria de Juci Reis, sendo os projetos: Brincantes (2016) e Fabrincando, na Feira Internacional do Livro de Guadalajara – México (2016). Graduada em Design (UFBA) e Mestre em Desenho, Cultura e Interatividade (UEFS), atualmente é professora de Design na Escola de Belas Artes da UFBA, e tem como foco projetos relacionados à cultura afrobrasileira, ilustração e animação.

Conversando com Tamires sobre a importância não apenas da representatividade no campo da expressão, falamos sobre o campo da criação e a maneira como, para a construção de qualquer mudança, temos que ocupar os lugares de criação e autoria, elaborando a desconstrução das formas de dominação de dentro para fora, como relata:

 

“Sobre minha trajetória profissional, sinto na pele a importância de ser uma professora mulher e negra numa Universidade Federal e percebo como posso servir como referência nesse sentido. Imagino que hoje em dia as turmas têm 2 ou 3 professores negros (as) em sua formação universitária e estar lá como docente é uma forma de resistência e de dizer: nós também podemos ocupar esse lugar. Como a minha linha de atuação é a ilustração, animação e literatura infantil, como professora de computação gráfica na UFBA, desejo orientar os alunos a passar por essa desconstrução de seguir um padrão eurocêntrico ao desenhar, pois, para mim quando estamos desenhando, estamos refletindo um pouco sobre e em nós mesmos. Sinto uma tristeza ao ver a quantidade de personagens brancos que os alunos reproduzem, mesmo se estamos em Salvador, essa cidade com tantas influências da cultura afrobrasileira… Eu percebo que na maioria dos livros didáticos e paradidáticos infantis brasileiros existe pouca representação da população negra em seus conteúdos e quando existe, o personagem negro raramente é o protagonista da história. Também percebo que os ilustradores e designers estão tão acostumados a criar segundo um padrão eurocêntrico que eles têm dificuldade em desenhar o negro com verossimilhança, contraste, luz e sombra. Então busco fazer a diferença com meu trabalho, ao colocar o personagem negro em papel de destaque. Quando criei Fabrincando (2015) coloquei os personagens negros em evidência para desconstruir preconceitos ocultos e mostrar um diferencial no segmento das publicações infantis. Assim, contribuo com a produção de mais publicações com esta preocupação e para que as crianças possam ampliar o seu imaginário e se reconhecer a pluralidade do povo brasileiro e de sua cultura. Fabrincando ensina a fazer brinquedos e fala da importância do trabalho artesanal, se aprofunda em ações que valorizam o brinquedo popular como uma expressão da cultura material de um povo, visibilizando outros aspectos da negritude”.

Tamires Lima materializa em diversos âmbitos a nossa luta por representatividade, desde a sua inserção como docente numa universidade federal, à consciência crítica que direciona suas práticas como pesquisadora e as metodologias que propõe, à força da autoria dos livros infantis investindo na construção de repertório na infância, como campo mais árduo dessa batalha de nos fazer enxergar com nossos próprios olhos e compartilhar, de dentro, as nossas narrativas.

Capa Fabrincando (2015), Tamires Lima.

 

Tamires Lima, Fotografia de José Elias

 

Capa Tóim, cadê você?’ (2014), Tamires Lima

Fonte: Revista Raça: https://revistaraca.com.br/toim-cade-voce/

CAROL BARRETO

Mulher Negra, Feminista e como Designer de Moda Autoral elabora produtos e imagens de moda a partir de reflexões sobre as relações étnico-raciais e de gênero.  Professora Adjunta do Bacharelado em Estudos de Gênero e Diversidade – FFCH – UFBA e Doutoranda no Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade – IHAC – UFBA, pesquisa a relação entre Moda e Ativismo Político.

Além disso, verifique

Universidades brasileiras lideram ranking da América Latina

Share this on WhatsApp As instituições brasileiras de ensino superior se destacaram no ranking das ...

Deixe um Comentário