Home / Brasil e Mundo / Aluno suspeito de matar coordenador de escola em Valparaíso de Goiás é apreendido e diz que teve ‘momento de fúria’

Aluno suspeito de matar coordenador de escola em Valparaíso de Goiás é apreendido e diz que teve ‘momento de fúria’

A Polícia Civil apreendeu nesta quarta-feira (1º) o estudante de 17 anos suspeito de matar um coordenador da Escola Estadual Céu Azul, em Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. Segundo a investigação, Júlio Cesar Barroso de Sousa, de 41 anos, foi morto após uma discussão no colégio.

“O menor alega que foi um momento de fúria, com a professora e depois o professor, mas não tem justificativa nenhuma. Foi um ato covarde”, disse o delegado regional, Rodrigo Mendes.

G1 não conseguiu localizar a defesa do adolescente até a última atualização desta reportagem.

O adolescente fugiu após o crime, que aconteceu na terça-feira (30). Segundo Mendes, o aluno foi apreendido no início desta tarde, na casa de um parente em Novo Gama, a cerca de 10 km de distância de Valparaíso de Goiás.

“A própria família não coaduna com o comportamento do menor. Após negociações entre a Polícia Civil e a família, nós nos deslocamos até essa residência. Ele estava escondido numa árvore, nos fundos da residência, e acabou se entregando”, disse o delegado.

Aluno suspeito de matar coordenador de escola em Valparaíso de Goiás é apreendido — Foto: Polícia Civil/ Divulgação

Morte em colégio

O delegado Rafael Abrão, que é o responsável pelo caso, disse que, horas antes do homicídio, o suspeito teve uma discussão com uma professora por assuntos disciplinares. Júlio César, então, interveio, e afirmou que iria transferir o adolescente, que o ameaçou. No período da tarde, o adolescente voltou à escola e atirou.

“Este aluno chegou a ofender verbalmente a professora e o coordenador interveio na discussão e também começou uma discussão. Foi quando o coordenador disse que ia transferi-lo de escola. Nesse momento, o aluno virou para ele e disse: ‘O senhor pode até me transferir de escola, mas você vai pagar por isso’. Mais tarde esse aluno retornou para escola, já armado”, explica Rafael.

Além disso, verifique

Mãe infarta ao ajudar filho na lição de casa: ele não entendia matemática

Share this on WhatsApp Uma mãe infartou enquanto ajudava seu filho a fazer a lição de ...

Deixe um Comentário